Bulbophyllum rothschildianum

B. rothschidianum1

Nome científico: Bulbophyllum rothschildianum / Cirrhopetalum rothschildianum
Nomes populares: Não tem
Família: Orchidaceae
Clima: Habita as florestas úmidas e quentes dos países de origem.
Origem: Índia, Tailândia e sul da China
Altura da planta: 15 cm
Luminosidade: Bastante luminosidade, 40% a 60% de sombreamento.
Ciclo de Vida: Perene
Descrição: Epífita com pseudobulbos curtos, folhas oblongas, floração em Abril / Maio. As hastes florais possuem de 6 a 12 flores de 4-6 cm de comprimento, coloração geral avermelhada, estriadas e com manchas, o labelo é cor de vinho. Prefere altitudes entre 300 e 1200 m.
Local de cultivo: Em vasos ou troncos de madeira.
Substrato: Cascas finas, esfagno e brita.
Água: Gosta de água. Molhar 1-2 vezes por semana ou mais no verão.
Temperatura: Amenas a quentes. Tolera extremos de 0º C até 40º C.
Adubação: A cada 15 dias NPK 20-20-20 e adubo organomineral 1 vez a cada 3 meses.
Propagação: Vegetativa, deixando 4-5 pseudobulbos por muda.
Pragas, doenças e outros problemas: Não apresenta grandes problemas quando bem cuidada, mas é vulnerável a cochonilhas. Para evitar doenças fúngicas , manter boa circulação de ar.
Outras considerações
– Em ambiente natural corre risco de extinção.
– Planta fácil de cuidar.
– Possui aroma desagradável tanto que é polinizada por moscas varejeiras.
Referências :
Bulbophyllum rothschildianum – Orchid wiki
Bulbophyllum rothschildianum – Daniel Carvalho Gonçalves e Evandro Carlos Ferreira

B. rothschidianum3

Anúncios

Dendrobium pierardii

Dendrobium pierardii 5Nome científico: Dendrobium pierardii  Sinônimo: D. aphyllum, D. cucullatum
Nomes populares: Não encontrado no Brasil. Na Índia é conhecido como “hooded dendrobium” (dendrobium de capuz), nas Filipinas chamam-na “fairy sanggumay” (orquídea das fadas) e de Dendrobium Orchid em países de língua inglesa. 
Família: Orchidaceae
Clima: Temperado
Origem: Índia, China, Nepal, Butão, Burma, Tailândia, Laos, Malásia e Filipinas.
Altura da planta: Planta pendente com pseudobulbos de até 1 m de comprimento.
Luminosidade: Gostam de ambientes com bastante claridade porém com luz solar filtrada. Sombrites de 50% a 60%.
Ciclo de Vida: Perene
Descrição: Epífita simpodial, de pseudobulbos longos, com inúmeras flores (tamanho de 3-4 cm) que surgem no início da primavera. As pétalas e sépalas tem coloração rosada com labelo creme. Como durante a floração todas as folhas caem, forma-se um belíssimo efeito cascata. Em cada entrenó pode surgir de 1 a 5 flores. As folhas lanceoladas tem de 3 a 10 cm de comprimento. Após a floração surgem vários keikis (novos brotos) nos pseudobulbos que deram as flores. O cultivo desta espécie não apresenta dificuldades. Existem variações no colorido das flores, desde suaves (quase brancas) até rosadas-avioletadas (bem mais escuras). Desenvolvem-se do litoral até altitudes de 1800 m.
Dendrobium pierardii2 Local de cultivo: Em potes (plástico ou barro), tocos de madeira ou direto nas árvores e cachepôs . Mas deve-se levar em consideração seu aspecto pendente. Num primeiro momento crescem verticalmente mas depois inclinam-se e os ramos caem. Desenvolve-se bastante sendo necessário planejar bem o tamanho do recipiente para colocá-la. No caso de potes é vital muito boa drenagem e estar em local de boa circulação de ar.
Substrato: Quando em potes, misturas de brita, carvão (pinheiro ou peroba), cascas e musgos. Ver postagem Substratos em orquídeas.
Água: Em seu ambiente natural há chuvas regulares na primavera, verão e início do outono. No fim do outono as chuvas vão diminuindo e os meses de inverno são secos. Assim, regue regularmente enquanto a planta está em desenvolvimento vegetativo, mantendo uma atmosfera úmida no ambiente. Conforme vai reduzindo a produção de folhas e estas começam a cair, diminuir a irrigação só molhando quando o substrato ficar seco. Inclusive pode-se aplicar somente uma água pulverizada. Só intensificar novamente a irrigação quando os botões florais começarem a se formar. É claro que se a planta estiver exposta ao tempo é mais difícil de controlar o fornecimento ou não de água.
Temperatura: Preferem temperaturas intermediárias a quentes, aceitando bem até 35º C.
Adubação: Recomendo as indicações feitas na postagem Adubação em orquídeas.
Propagação: Uma maneira simples de multiplicar esta espécie é através dos keikis que naturalmente surgem nos pseudobulbos após a floração. Estas brotações podem ser separadas da planta mãe após as raízes atingirem uns 4 -5 cm. O melhor é retirar o keiki junto com um pedaço de pseudobulbo (4-7 cm). Coloca-se em vaso pequeno com parte do pseudobulbo enterrado até a superfície , sendo que as raízes ficam apoiadas sobre o substrato. Também pode-se fazer algumas divisões quando da troca de vasos, sem enfraquecer demais a planta original.
Pragas, doenças e outros problemas: Já tenho há vários anos o Dendrobium pierardii e não tive nenhum problema com doenças ou pragas, nem mesmo os desagradáveis pulgões verdes que atacam os Dendrobiuns na primavera. Mas a literatura indica que são sensíveis aos pulgões e cochonilhas.
Outras considerações:
– Em risco de extinção na natureza.
– Na Índia, flores esmagadas formam uma pasta que colocada na testa auxilia contra dor de cabeça e tonturas.
– A palavra “aphyllum” é formado pelo prefixo “a”, que traz a ideia de ausência de “phyllos” (folha), referindo-se a ausência de folhas durante o seu período de floração.
Referências:
– Dendrobium pierardii – Suresh Kalyanpur – The orchid society of Karnataka – Bangalore India
– Dendrobium aphyllum – Kew Royal Botanic Garden  UK
– Dendrobium pierardiiWorld dictionary of medicinal and poisonous plants: common names
– Dendrobium aphyllum – Robinson Viegas dos Reis
– 
The Orchids of the Philippines – Jim Cootes
– Cultivo de algumas espécies de Dendrobium – Siegfried Preiskorn
– Dendrobium pierardii – Naresh Swami
– How we grow Dendrobiums part 2 –
Robert Fuchs
– 
Orquídeas Dendrobium, las flores más sorprendentes del mundo – Myriam Noemí
– Dendrobium aphyllum Aventura com orquídeas – Ana Maria Rodrigues
Dendrobium pierardii