Deusa mãe

DSC04855 DSC04856 DSC04854DSC04858

Deusa Mãe

O sol nascente doura o oceano
A imensa praia por onde caminho,
por um momento,
parece ser o paraíso

As águas tocam carinhosamente
em meus pés
e posso ver o arco íris
nos desenhos
deixados nas areias
pelas ondas do mar

Em minha insignificância
sou abençoado
pela beleza
e pelo amor
da Deusa Mãe

São momentos assim
que nos fazem sentir
que vivemos
por uma sublime
razão

Quadro de fundo: “Portal das águas” –  pintura em acrílico sobre tela com textura e colagem da artista Kátia SalvI

Anúncios

Águas murmurantes

DSC04277DSC04280DSC04284

Águas murmurantes

Como as águas
murmurantes de um riacho
gostaria de ser,
serpenteando
por entre as pedras
das tradições aprisionantes,
das teorias caducas,
das ilusórias convicções
Livre dos templos profanos,
dos rituais pomposos,
da sedução das filosofias
e do poder irresistível
dos frutos sensoriais

Simples,
em um contínuo
escorrer,
fluindo para o rio
que vai para o mar,
como a corrente da vida
que não se pode deter

Todas as formas,
todos os pensamentos,
os personagens,
os incontáveis dramas
finalmente desaparecendo,
voltando ao grande Todo

Como as águas
murmurantes de um riacho
gostaria de ser…

Quadro de fundo: pintura em acrílico sobre tela da artista Kátia SalvI

Abertura

DSC04028

DSC04032

Abertura

Meu corpo-alma
é como uma casa-útero
Todas as portas e janelas
estão fechadas
Caminho na escuridão,
os pensamentos-projetos de luz
desvanecem-se porque são apenas
sonhos sem força
Não posso continuar envolvido
nesta rede sem fim,
de sentimentos,
de emoções,
de ideias,
que se ligam numa continuidade
que não leva a lugar algum

Vejo
que pelas frestas
das janelas
penetram tênues
fachos de luz
Sinto que estou cercado
de vida e luz
Meu trabalho primeiro
precisa ser este,
um esforço contínuo
para escancarar
todas as aberturas,
deixando que as trevas
dissipem-se para sempre
É isto que chamo de êxito
Tudo o resto é secundário

Enquanto não conseguir
esta clara-visão,
nem que seja
no momento
de deixar este mundo,
minha vida parecerá
ter sido em vão

DSC04030

Quadro de fundo: pintura à óleo sobre tela do artista Christian Salvi Wunderlich

Momento perfeito

DSC04035

DSC04034

DSC04037

Momento perfeito

O sol maravilhoso
faz as folhas das palmeiras
reluzirem ao longe
As borboletas dançam tão leves,
coloridas, luminosas
As vacas ruminam
num sonho distante, mas presente
Montanhas, pedras, pássaros e cães
parecem celebrar a vida,
tranquilos

A contemplação supera os conceitos,
o silêncio será muitas vezes
melhor que as palavras.
Entre escrever o desabafo
de seculares conteúdos,
já corroídos,
prefiro um poema
que cante o prazer
das coisas simples

Os desencontros
e desencantos sem fim,
paixões que não se explicam,
sonhos que não se cruzam,
rotas que se bifurcam
em direções distintas
Tudo é tão etéreo!
Como fazer para que todos os elementos
se mesclem em perfeito momento,
numa harmonia que nos deixe plenos
e nos devolva a alegria
dos pequenos, dos filhotes
daqueles que apenas são

Acho que não podemos fazê-lo,
nem criar, nem projetar
Talvez apenas soltar,
num lapso expandido
entre um pensamento e outro,
sem as cargas passadas,
sem as projeções do amanhã
Quem sabe, este espaço sutil
seja a morada
do amor

DSC04036

Quadro de fundo: pintura em acrílico com textura e colagem da artista Kátia SalvI

Amor humano

DSC03869

DSC03870

DSC03868

DSC03871

Penso
ser o amor
algo transcendental,
impessoal, divino,
irradiante luz

Mas
é tão humano
esta falta
que o coração sente,
aquilo que nos completa,
nos preenche
e que ficou em algum tempo
numa lembrança tão distante…

Como compreender
esta misteriosa atração
que nos faz suspirar
ao leve toque da brisa?
E imaginamos
que podemos levar os pensamentos
a lugares distantes,
sussurrando a quem amamos
que sempre há um novo amanhecer
e que o amor sempre vem
em ciclos sem fim…

Nada tão humano,
mas será que não buscamos
em vão a satisfação?
Que nossas brumas
estão a esconder a harmonia
no íntimo do coração?
Acho que estou mais assim,
mas não deixo de imaginar
como seria o Sol- Lua de um
junto ao Sol- Lua do outro
Meu Sol que é teu,
tua Lua que é minha,
Sol-Sol , Lua-Lua,
nem Sol nem Lua,
mas o brilho indescritível
do amor…

Quadro de fundo: pintura em óleo sobre tela do artista Christian Wunderlich

Gota do céu

DSC03287

DSC03288DSC03289

Gota do céu

Era uma noite tranquila
O lago, qual um espelho
refletia a lua cheia
Nas margens
era possível ver
as copas escuras
de frondosas árvores

Então
uma gota de água
do céu caiu
gerando
uma pequena onda
que se expandiu
em círculos,
para todas
as direções

Se a mente
está serena
podemos receber
aquilo que vem do alto
e ainda emanar
para todo
o ambiente