Calatéia tigrina

DSC03208

Nome científico: Calathea tigrina
Nomes populares
: Calatéia tigrina, Maranta tigrina

Família: Marantaceae
Clima: Tropical e subtropical. Não gosta de climas muito frios.
Origem: Brasil
Altura: 0,3 a 1m
Luminosidade: Meia sombra, podendo receber o sol das primeiras horas da manhã.
Ciclo de Vida: Perene
Descrição: Planta herbácea que forma rizomas, folhas ovais, coriáceas, com parte inferior arroxeadas e parte superior verde claro com desenhos marrom-esverdeados. O pecíolo sai diretamente do rizoma e as flores são pequenas, brancas, em forma de espiga, sem muito destaque. Floresce no verão.
Local de cultivo: Tanto em vasos como em canteiros, sempre evitando o sol direto ou em interiores.
Substrato: Terra com bom teor de matéria orgânica.
Água
: Regas regulares, não permitindo o encharcamento do solo.

Temperatura: Amenas, não gostam de temperaturas muito baixas.
Adubação: Anualmente com adubos orgânicos (tipo húmus de minhoca, etc). Usando NPK, prefira o 10-10-10, a cada 3 meses.
Propagação: Por divisão de touceiras, mantendo 2-3 folhas por muda.
Pragas, doenças e outros problemas: Não apresenta grandes problemas. Evitar excesso de umidade no solo pois fungos podem se instalar e gerar podridão.
Outras considerações:
– Tem natureza invasiva, grande vigor para se expandir.
– Por possuir esta característica de crescimento horizontal, ao ser usada em fontes, precisa receber podas ocasionais para que as folhas não encostem na água. Ou pode-se usar suportes para conduzi-la.

DSC03256

Anúncios

Calatéia ornata

DSC03202

Nome científico: Calathea ornata sanderiana
Nomes populares: Calatéia, Maranta-riscada
Família: Marantaceae
Clima: Tropical, tropical de altitude, tropical úmido
Origem: Nativa das Guianas, Colômbia, Equador, Venezuela e Brasil
Altura: 0,3 até 0,9 m
Luminosidade: Pouca luz, gosta de sombra.
Ciclo de Vida: Perene
Descrição: Planta herbácea com folhas grandes (ovais ou lanceoladas) de verde bem escuro e linhas longitudinais róseas em ambos os lados da nervura central. Estas folhas emergem diretamente do solo, tem textura coriácea e na parte inferior são roxas. Eventualmente (com temperatura e umidade altas) a Calatéia lança inflorescências espigadas com flores de cor branca ou violeta. As raízes são rizomas fortes que em ambiente natural formam touceiras com folhas de até 2 m.
Local de cultivo: Ambientes internos e externos. Considerando que são provenientes das florestas tropicais, não devem ser expostas ao sol, sendo muito sensíveis à geada. Assim, externamente, devem ser plantadas em canteiros sombreados, com boa umidade. É bem adaptada para vasos em interiores.
Substrato: gosta de solos orgânicos com boa drenagem.
Água: É conveniente manter o solo úmido, porém sem encharcar. Excesso de umidade pode causar podridão das raízes. Pode-se fazer pulverizações regulares nas folhas para manter os níveis de umidade. Baixa umidade faz com que as pontas das folhas fiquem marrons.
Temperatura: a ideal é por volta de 22º C
Adubação: Com NPK a cada 20 dias aproximadamente, mas em pequenas quantidades. Ou com adubos orgãnicos à base de turfa, húmus de minhoca, mamona e farinha de ossos, a cada 3 meses.
Propagação: Multiplica-se por divisão de touceiras. Como a cada 2 anos será preciso trocá-las de pote, aproveita-se para dividí-las.
Pragas, doenças e outros problemas: Dificilmente ocorrem doenças a não ser por fungos quando há excesso de umidade. A aranha vermelha (Tetranychus urticae) ocasionalmente pode causar algum dano, como manchas pretas na superfície das folhas.
Outras considerações:
– Calathos em grego significa cesta. Alguns índios utilizam as folhas para a confecção de cestos, gerando o nome.
– A Calatéia possui um movimento interessante em suas folhas, ficando mais horizontais ou mais verticais para melhor aproveitar a luminosidade.
– É planta ideal para remover toxinas do meio ambiente, cumprindo assim uma função tanto de limpeza do ar como de decoração.
– É uma planta adequada e utilizada por Iracema – fontes e orquídeas em suas fontes de água

$T2eC16V,!)cFIeSwjGzBBSP19FiK+w~~60_35