Cactus sianinha

DSC03176

Cactus sianinha

Nome científico: Selenicereus anthonyanus Sinônimo: Cryptocereus anthonyanus
Nomes populares: Cactus sianinha, cactus zig-zag, reina de la noche (Espanha), Queen of the night (UK), fishbone cactus (USA)
Família: Cactaceae
Clima: Tropical e subtropical
Origem: México
Altura: Até 1 m
Luminosidade: Bastante luminosidade, mas com a luz solar filtrada. Também desenvolve-se a meia sombra, tolerando sol direto pela manhã.
Ciclo de Vida: Perene
Descrição: É uma planta epífita que em seu ambiente natural (florestas tropicais chuvosas) encontra-se pendurada nas árvores. Possui ramos achatados com lóbulos intercalados, o que gerou alguns de seus nomes (como fishbone e zig-zag). São carnosos (atingem mais de 60 cm), possuindo espinhos muito pequenos e suaves. Cientistas acreditam que o formato deste cactus deve-se a um processo de transição do deserto para a floresta. No novo ambiente, a umidade não era difícil de obter mas a luz solar era obstruída pela copa das árvores. Assim, o cactus desenvolveu um amplo e delgado caule que não armazenava tanta água mas era muito eficiente na captação da luz solar. Talvez esta estrutura fina e fragmentada seja uma tentativa de novamente desenvolver as folhas que perderam em tempos muito distantes. Os ramos lançam raízes adventícias, o que permite fixar-se nas árvore e avançar o mais alto possível para obter o máximo de luz. As flores, que são uma atração à parte, são grandes (com cerca de 10-15 cm), pétalas de cor creme, sendo que as mais externas são vermelhas. Sua particularidade é o horário de florescimento, abrindo ao entardecer e atingindo a plenitude durante toda a noite. Talvez esta hora do dia seja em função dos polinizadores (insetos noturnos e morcegos). Mas o sistema de polinização ainda não é completamente entendido pela ciência. A flor é muito cheirosa mas dura só uma noite. Já ao amanhecer estará fechada. É pouco conhecida pela maioria das pessoas, não só pelo seu hábito noturno e de curta duração, como também pela dificuldade de florescer se as condições onde estiver instalado não forem as mais próximas do habitat natural. No Brasil, a floração ocorre em novembro.

Botões florais ao entardecer

Botões florais ao entardecer

Local de cultivo: É uma excelente planta para embelezar a paisagem. Pode ser plantado em cestas ou vasos desde que haja boa drenagem para evitar a umidade excessiva. Por ser pendente precisa ser pendurado. Como possui raízes aéreas que vão se agarrando e expandindo a planta, pode ser plantado próximo a árvores, muros ou em recantos escarpados, com pedras. Neste caso, pode ser colocado diretamente no solo.
Substrato: Gostam de substratos orgânicos. Uma mistura boa contém, em partes iguais, terra orgânica (pode ser turfa também), areia de rio lavada e húmus de minhoca. O fundo precisa ter drenagem com brita.
Água: Prefere que o substrato fique seco entre uma rega e outra. Geralmente 1 vez por semana é o suficiente. No inverno pode ser mais espaçado. Em dias muito quentes pode-se pulverizar a água sobre a planta.
Temperatura: O ideal é entre 13º e 26º. Mas em locais protegidos pode suportar temperaturas abaixo de 10º.
Adubação: A recomendação neste sentido é aquela que faço com minhas plantas. A cada 3 meses, 1 colher de sopa de um composto orgânico (torta de mamona + rochas moídas). Este adubo é rico em micronutrientes e de liberação lenta. Pode ser húmus de minhoca também, numa quantidade um pouco maior. A adubação química (que é de liberação rápida) é a mesma que uso para orquídeas (20-20-20), da seguinte forma:
– primavera – 1,0 g/l
– verão – 2,0 g/l
– outono – 1,0 g/l
– inverno – 0,5g/l ou nem aduba
Propagação: Por sementes ou estacas. No caso das estacas, usa-se qualquer parte dos ramos, deixando secar até formar uma camada protetora no local do corte. O substrato deve ser leve, formado de terra vegetal (ou turfa) misturado com areia. Ou até mesmo só areia. Insira a ponta da estaca que formou película neste substrato (uns 3-5 cm), mantendo-o levemente úmido, sob luz filtrada. É importante que algum dos areoles fique abaixo da terra. Após enraizamento podem ser transferidos para o recipiente definitivo. A época recomendada para esta operação é no outono. Já por sementes, faz-se necessário uma semeadura rápida pois o poder germinativo logo perde-se. Melhores resultados são obtidos quando usamos pequenas estufas.
Pragas, doenças e outros problemas: Cochonilha farinhenta e outras cochonilhas, pulgões, lesmas e caracóis são as pragas principais. As cochonilhas podem ser retiradas manualmente com um cotonete ou, se a infestação for grande, utilizando óleo mineral ou óleo de neem. Para o controle de lesmas e caracóis procure informações no texto “Caracóis em orquídeas” na categoria Orquídeas deste site.
Quanto a doenças, esta espécie é sensível ao ataque de vários patógenos como fungos e bactérias. A bactéria
Erwinia cacticida causa a podridão negra. Ambientes com excesso de umidade são propícios ao crescimento desta bactéria, que invade as células das raízes, consumindo-as até que não reste outra coisa senão uma massa preta, mole e úmida. Fungos como os do gênero Phyllosticta (mancha nas folhas) podem surgir (e em outras cactáceas também) quando as condições adequadas para a planta não são oferecidas e pela lesões oriundas de ataque de insetos. São de difícil controle. O melhor é cortar as partes afetadas ou, em casos extremos, eliminar a planta.
Outras considerações:
– O significado da palavra Selenicereus vem do grego : Selene (deusa da lua) + cereus (do latim – vela, em referência às flores noturnas). Por isto, também chamado “cactus da lua”.
– Já o outro gênero pelo qual também é conhecido, Cryptocereus, dá origem a outro nome comum:
cactus oculto (cripto=oculto). Isto porque esta espécie permaneceu desconhecida por muito tempo.
– A palavra que refere-se a espécie,
anthonyanus, é uma homenagem a Harold Anthony que foi quem pela primeira fez fez com que a planta florescesse fora de seu ambiente natural.
Referências:
– Cactus sianinha (Selenicereus anthonyanus) – Eng. Agr. Miriam Stumpt – Fazfácil
– Plants in the Greenhouse – Selenicereus anthonyanus – University of Maine
– Plantas a diario – Mama flora – Uruguay
– Fishbone cactus care – How to grow and care for a ric rac cactus houseplant / Gardening know how
Selenicereus anthonyanus – Biodiversity education & research greenhouses – University of Connecticut
– Selenicereus anthonyanus – The national gardening association – Williston USA
Mealybug infestation and control – Jon Vanzile – Houseplants
– Fishbone cactus – Plants rescue

À noite, flores em plenitude

À noite, flores em plenitude

Anúncios

18 comentários sobre “Cactus sianinha

  1. Boa noite, esta planta e muito linda, possuo uma. Já está começando a florecer; a minha preocupação e por estar num vaso medio. Devo fazer o transplante para um vaso maior após a floração? Me ajude, quero muito ver esta raridade cheia num vaso pendente.

    • Elizabeth, bom dia! Esta planta é realmente muito linda. Vale a pena cuidar e multiplicar. Comecei o cultivo através de uma estaca que ganhei. Utilizei, neste estágio inicial, um vaso de 10 cm de diâmetro. Demorou para crescer 1 ano e meio até transferir para onde está atualmente. O vaso é aquele das fotos, com 15 cm de diâmetro. Dá para dizer que é um vaso médio. Ali começou a crescer e se tornar pendente. Não vejo a necessidade de transferir para vaso maior, a não ser se o substrato mostrar-se esgotado (o que fará a planta reduzir seu desenvolvimento). Para obter uma planta com aspecto vistoso e abundante floração é preciso ter um pouco de paciência que ela vai se desenvolver pelas ramas laterais. Ou tentar o que também estou fazendo, qual seja, novas estacas que serão plantadas, aí sim, em um vaso maior e distribuídas em todas as direções.
      Vale lembrar a importância da luminosidade e demais requisitos para esta planta. Mas se teu cactus sianinha já está lançando botões florais é um grande sinal pois significa que está no lugar adequado. Não conheço muitas pessoas com esta planta mas dizem que ela é meio chata para florir. No meu caso, em Florianópolis, foi em Novembro. Não sei se te ajudei. Qualquer coisa entra de novo em contato e também ficarei satisfeito em receber informações de tua experiência com a planta. Um abraço, Silvio

  2. Muito obrigada, adorei suas dicas. Ainda não floreceu, mas qdo acontecer vou escrever dando notícia. Grata.

    • Elizabeth, que coincidência! Justo no dia que você me escreveu minha sianinha abriu sua primeira flor este ano. Torço para que tua planta também floresça e possas apreciar sua beleza. Tudo de bom, Silvio

  3. tenho a minha há 3 anos e nunca floriu…o que preciso fazer? já deixei no sol, ja deixei na sombra…troquei de vaso e nada…ela esta enorme mas nada de flor

    • Andreia,bom dia! Fico satisfeito em poder me comunicar contigo. Tenho muitas plantas em casa e também trabalho em uma floricultura. Assim, lido com plantas o tempo todo. O que fazer para a Sianinha florir é a tua pergunta. O que posso te dizer é extensivo para qualquer planta: dentro do possível deve-se tentar imitar as condições do habitat natural desta planta. O que postei sobre este cactus já possui uma série de informações que ajudarão no seu cultivo. Mas cada local tem a sua característica, é um sistema próprio. Aquilo que dá certo no meu quintal pode não ser bom no pátio de outra pessoa. E as plantas nos ajudam através de seus sintomas. Posso te descrever como está o vaso de Sianinha que tenho. Fica pendurado sob um pergolado de Glicínia. No inverno as folhas da Glicínia caem e ele apanha sol até às16 h. Já na primavera e verão, período de folhagem para a Glicínia, o Sianinha fica na sombra. Pega algum sol pela manhã. Quanto a umidade, estando na rua, recebe chuva direto. Só molho quando fica alguns dias sem chover. Florianópolis é bastante úmido. Adubação é aquela que indiquei. O substrato é orgânico. Já as mudas que preparo com estacas ficam debaixo de sombrite de 70%. Mesmo que já tenhas feito mudanças de local, aconselho a continuar tentando até achar o lugar certo da planta. Já tive plantas que demoraram a dar a primeira floração, inclusive foi o caso da Sianinha. Fico na torcida que tenhas sucesso e que no futuro eu possa curtir alguma foto florida de teu cactus. Um abraço a amiga, Silvio

  4. já tem uma taturana passeando na flor ou é impressão minha!!!

    • Rose,bom dia! Revisei as fotos e não identifiquei nenhuma taturana. Talvez na 3ª foto, bem embaixo, há uma flor que na sua base, poderia se parecer com uma lagarta. Mas na verdade é o botão floral, que tem aquele aspecto. Mas até dá para confundir. Felizmente não é e nunca tive problemas com pragas nesta planta. O que ocorre, muito eventualmente, é o aparecimento da podridão mole em algum ponto da folha em períodos muito úmidos. De resto este cactus só traz alegrias. Agradeço o comentário e um abraço à amiga. Silvio

  5. tenho uma mais nunca floriu . o que colocar para florir

    • Bom dia,Ana!Em 16/11/14 respondi para Andreia uma pergunta semelhante a tua. Para não ser repetitivo peço que olhes minha resposta. Tua sianinha é nova? Se é mais antiga, uma troca de substrato pode vitalizar a planta. Qual o local que está a planta, há luz adequada? Se quiseres fazer um descritivo destes ítens talvez possa te ajudar melhor. Um abraço, Silvio

  6. 10 anos que tenho a minha, so crascem folhas, mas nunca deram flores

    !!!!

    • Já descrevi o que sabia desta planta. Sugiro que revise todos os itens importantes. Às vezes a região do país nem é adequada. Ela é de clima tropical e subtropical. E se não estiver como ela quer, simplesmente não floresce. Um abraço

    • Welerson, não tenho muitos vasos com este cáctus. Mas pretendo fazer umas mudas breve. Está só me faltando tempo. Você é de que cidade? Quando tiver umas mudas estabelecidas não tem porque não te conseguir uma.

  7. Que delícia de página! Amei! E esse menino Silvio,meu Deus que gracinha! Beijão para todos que fizeram parte do grupo!

    • Bom dia Aline! Fico satisfeito que tenhas gostado da palestra. Mesmo que seja muito assunto para tão pouco tempo, penso que deu para dar uma ideia geral do cultivo da Phalaenopsis. Um abraço, Silvio

  8. Bom dia amei tudo so fiquei triste tenho a minha sianinha a tres ano ate oje nao floriu nao sei pq talves poderia me ajuda..
    Obrigado parabens

    • Esabel, bom dia! Olha, tudo o que sei sobre este cactus escrevi neste post e nas respostas aos comentários. Sugiro que faça uma verificação dos principais itens que são importantes para a planta, como luminosidade, irrigação, substrato e outros. Se queres que te ajude a fazer esta avaliação, me manda informações mais detalhadas de como está tua planta e a forma como cuidas dela. De qualquer forma, é uma planta meio demorada para começar a florescer. mas depois é todo o ano. Mudei meus vasos de Sianinha para dentro do orquidário, com telado de filtro 70% em cima e 50% nas laterais. Parece que ela ficou mais contente ainda pois deu muitas flores na última florada. Bem, agradeço pelo contato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s